Estudo encomendado pela Harley-Davidson sugere que pilotar uma motocicleta ajuda a aumentar a autoestima das mulheres. As respostas apontam que as mulheres que pilotam são mais felizes, confiantes e se sentem mais sexy do que as mulheres que não pilotam.

A pesquisa foi conduzida pela empresa especializada em pesquisa de mercado Kelton, nos Estados Unidos, e contou com a participação de 1.013 mulheres motociclistas e outras 1.106 mulheres não motociclistas, todas com idade acima dos 18 anos.

Das motociclistas entrevistadas, 34% disseram que se sentem menos estressadas e mais da metade (53%) citaram que a motocicleta é sua principal fonte de felicidade e que a experiência de pilotar uma moto as faz sentir mais livres e independentes.
Três a cada quatro mulheres (75%) acreditam que suas vidas mudaram desde que começaram a andar de moto.

Além disso, a pesquisa revela que as mulheres de moto se sentem que seus relacionamentos melhoraram, bem como a comunicação com seu parceiro, neste último caso, 60% das motociclistas afirmaram isso, contra 35% das entrevistadas que não são motociclistas.

“Andar de moto é a uma forma de liberdade e auto expressão, por isso faz sentido que as mulheres pilotos são mais felizes na vida e , em geral, se sentem mais satisfeitas”, disse Claudia Garber , diretora do Outreach das Mulheres para a Harley- Davidson nos Estados Unidos. “É por isso que aprender a andar de moto é o presente perfeito que você pode dar a si mesma e a melhor resolução para fazer um ano novo realmente mudou minha vida.”

No Brasil

O número de mulheres vem crescendo a cada ano no Brasil, segundo dados do Denatran, 25% dos motociclistas habilitados no país são mulheres.

E esse número não pára de crescer, é cada vez mais comum ver mulheres pilotando motocicletas, seja nas pistas de competição como as competentes pilotos Erika Cunha e Sabrina Paiuta, em moto clubes ou moto grupos – como as Panteras do Asfalto MC, Grazy Girls MG ou Ladies of The Road – ou pilotando pelas ruas do país.

“Quando criei o Mulheres de Moto em 2009, quase não via mulheres andando de moto nas ruas, quando passava as pessoas me olhavam com surpresa, agora não, é comum”, disse Amanda Pagliari, piloto e fundadora do portal mulheresdemoto.com.br. “Todos os dias recebo mensagens de mulheres de todo o país contando suas experiências como motociclistas, e percebo que a cada dia cresce o número habilitadas na categoria A”.

As mulheres são diferentes dos homens em muitos aspectos, inclusive na hora pilotagem. Homem não precisa se preocupar tanto com o cabelo ou com a maquiagem que vai borrar quando colocar o capacete, por exemplo. Além disso, em geral, as mulheres se dedicam mais e estão dispostas a ouvir dicas e fazer cursos sobre pilotagem.

De olho nesse novo mercado, as empresas aumentaram as ofertas de produtos e serviços exclusivos para as mulheres de moto. É cada vez mais comum ver capacetes e vestuários exclusivos para mulheres de moto, bem como motos com diferenciais para as mulheres.

Além de produtos e serviços, diversos eventos foram criados com foco nas mulheres de moto. Em 2013, a ABA Harley-Davidson organizou uma manhã especial para as mulheres com palestra sobre pilotagem e curso de auto maquiagem (veja aqui).

A edição de 2014 do Salão Bike Show – maior feira de motos do estado do Rio de Janeiro – teve um espaço inédito dedicado exclusivamente para as mulheres motociclistas (veja aqui).

Isso mostra que cada vez mais as mulheres vem conquistando espaço nesse “mundo” que era dominado pelos homens. Lembrando que capacidade de pilotagem não está associado ao sexo da piloto.

Estuda da Harley Davidson mostra que mulheres que pilotam são mais felizes

Estuda da Harley Davidson mostra que mulheres que pilotam são mais felizes