Na edição de 2016 Indiana Muñoz e Derick Filipini foram campeões das 100 milhas na categoria 300cc, Márcia Reis e Juninho Trudes na 500cc. Para a edição de 2017, as pilotos uniram-se e vão em busca do bi-campeonato na competição que é considerada a “prova de gala do motociclismo brasileiro”.

Foto Divulgação

As pilotos que abriram a temporada 2016 sendo campeãs, participaram do Superbike e também do Supermoto querem continuar fazendo história na motovelocidade mostrando que o lugar das mulheres realmente é atrás do tanque “da moto”. Segundo os organizadores do evento será a primeira vez na história que duas mulheres farão dupla para participar de uma prova de endurance, até o momento as duplas para a categoria das 100 milhas sempre foram formadas por um homem e uma mulher como aconteceu em 2016.

Indiana Muñoz que iniciou a carreia na motovelocidade em 2014 no Campeonato Brasiliense na categoria de 1000cc e no Superbike em 2015 na categoria 300cc foi se destacando cada vez mais pelo seu arrojo. “Começamos bem o ano de 2016 vencendo as 100 milhas de Interlagos, e no Superbike lideramos nas duas primeiras corridas, depois disso uma queda atrapalhou a disputa e na sequência um motor quebrado em Curitiba atrapalhou ainda mais e finalizamos o Campeonato na 5ª colocação.” Disse Indy que está confiante que 2017 será um ano muito promissor, e começará o ano disputando as 100 milhas em uma nova categoria. A piloto nos conta ainda que está ansiosa pela nova experiência e que pretende fazer o seu melhor.

Foto Divulgação

Já Márcia Reis que participou em 2012 de dois Grids Femininos no GP Gaúcho de Motovelocidade e desde 2014 vem enfrentando diversos desafios para manter-se nas pistas diz que está muito feliz por poder participar pelo 3º ano consecutivo das 500 milhas. “Em 2013 assisti pela primeira vez as 500 Milhas em Interlagos e naquele momento pensei: “um dia ainda vou participar dessa prova”. Em 2015 fiz o curso com Leandro Melo em Curitiba e participei na Categoria Escola, era a única mulher e tive os holofotes todos em cima de mim, foi muito legal esse destaque, e em 2016 na minha estreia subi no lugar mais alto do pódio com meu companheiro de equipe Juninho Trudes”.

Foto Divulgação

A piloto conta que não foi fácil fechar os patrocínios para poder participar, visto a crise que o País vem enfrentando. “Foi um trabalho muito complicado e encaminhamos muitos projetos, grande parte das respostas foram negativas e pessoas que pensei que ajudariam nos fecharam as portas, mas ainda existem empresários que acreditam no esporte no Brasil e que nos apoiaram. Um deles foi o Octavio Sereno, meu ex-chefe de Equipe, através da SAF-Rio de Janeiro, que apesar do afastamento que tivemos em 2016 sempre procurou incentivar a participação das mulheres nos campeonatos”.

Foto Divulgação

Márcia Reis é considerada uma piloto bastante técnica e desde setembro do ano passado vem desenvolvendo um projeto de segurança no trânsito e uso de equipamento de proteção que vem se intensificando cada vez mais com as palestras de direção defensiva para motociclistas que está ministrando. “Este trabalho que estou desenvolvendo junto aos motociclistas tem sido bastante gratificante. Para este ano tenho algumas metas traçadas, mas ainda não tenho nada definido em relação aos Campeonatos, a falta de incentivo está sendo cada vez maior e vejo vários pilotos desmotivados e desistindo do esporte”. Disse a piloto que continua trabalhando na campanha #vemprapistamulherada que iniciou em 2015. Indiana Muñoz também desenvolve trabalhos junto aos motociclistas dando aula de pilotagem e direção defensiva na escola do marido em Brasília.

As pilotos participarão das 100 milhas em Interlagos no próximo domingo (12) na categoria 500cc e estão em busca do bi-campeonato. Márcia está fora das competições de speed desde agosto/2016 e Indy será sua primeira vez com uma 500cc. Confira a programação completa da 20ª edição das 500 Milhas que promete ser emocionante.

http://www.superbike.com.br/programacao-de-atividades-500-milhas/