Para nossa geração de hoje parece estranho falar, mas já teve dias em que usar um capacete enquanto pilotava uma motocicleta era opcional. Os capacetes só se tornaram obrigatórios na estrada no Brasil em 1991 estabelecida pelo CONTRAN, conforme Resolução 757.

Na Inglaterra, para se conduzir um carro ou pilotar uma moto é obrigatório ter seguro, diferente do Brasil o qual é opcional. Uma seguradora chamada Bike Insurance Services com parceria com a Dadiva Helmets, resolveu fazer seu merchan mostrando a evolução dos capacetes e contando sua história ao longo dos anos, desde as primeiras tigelas de pudim até as últimas ofertas de alta tecnologia. Confere:

Início dos anos 1900

Imagine a cena: É o começo do esporte de corridas de moto, as pessoas estão voando em torno de trilhas de terra improvisadas, com nada mais do que tampas de couro para manter seus cabelos fora de seu rosto.

As coisas começam a mudar. O médico oficial da Brooklands, o talentoso Dr. Eric Gardner cria um capacete básico que é usado pelos pilotos na TT ilha de Man em 1914. Os médicos da corrida observam que o nível geralmente alto de concussões foi reduzido a zero.

A morte de um herói

Em uma pista de país inglês em maio de 1935, o herói de guerra T. E. Lawrence (também conhecido como Lawrence da Arábia) sofre sérios ferimentos na cabeça por só estar usando óculos de proteção, e morre seis dias depois. Seu médico tem certeza de que a morte do herói do deserto poderia ter sido evitada se Lawrence estivesse usando um capacete. Ele se torna uma voz importante na chamada de capacetes obrigatórios para todos os pilotos.  Mas somente seis anos depois, o exército britânico emitiu uma ordem tornando obrigatório para os seus passageiros levar um capacete.

Eles devidamente dão uma versão do que se torna conhecido como o “Pudding Bowl”. Um capacete que mantém a sua popularidade através dos anos 1950 e no início dos anos 60.

Fonte: Internet

Anos 50

Meados dos anos 1950: ainda não é obrigatório usar uma ‘’tampa’’ em qualquer lugar do mundo (a menos que você esteja andando no exército britânico), mas seu uso está agora bem estabelecido em todas as formas de esporte motor.

Em 1952: Professor C.F. Lombard da Universidade do Sul da Califórnia inventa um capacete de absorção de choque para ser usado por pilotos da polícia. Por volta da mesma época, a firma norte-americana Bell começa a olhar duramente para o novo capacete piloto de caça em sua tentativa de projetar um capacete melhor para o esporte motorizado.

Roy Richter um dos proprietário de Bell Autoparts, tem sua própria equipe de corrida e vê em primeira mão os ferimentos graves que os concorrentes estão enfrentando em todas as formas de corrida. Ele montou uma divisão de capacete em uma única garagem de madeira e em 1954 – cooptando a última tecnologia militar – ele produz o Bell 500 (nomeado após o Indy 500). Capacete de moto estilo Jet

Em 1957: A partir desses primeiros protótipos Bell 500-TX entra em produção e revoluciona a indústria de capacete. Este casco verdadeiramente icônico do “estilo do jato” é desgastado e popularizado pelos gostos de Steve McQueen.

Fonte: Internet

Anos 60

Há agora muitos jogadores no campo do capacete em ambos os lados do Atlântico. Mas Bell, no entanto, continua a inovar e dominar o campo, e em 1967 Bell mais uma vez toma nota e mantém-se à frente desenvolvendo o primeiro capacete de rosto completo ‘’The Bell Star’’

Isso muda o futuro dos capacetes para sempre. O filme ‘Easy Rider’ mostra Peter Fonda usando o trabalho personalizado de Bell. O capacete agora começa a se tornar um ‘’acessório de moda’’.

Fonte: Internet

Anos 80 e 90

Guerras de estilo. Capacete design e materiais não mudam muito após o Bell Star rosto cheio. É na moda, em vez de construção, que as coisas avançam  (ou para trás, dependendo do seu gosto).

Ao longo da década de 1970 o metal tinha sido o rei da moda, mas como a moda se torna um pouco morna nos anos 80 essa tendência desaparece e o capacete começa a tomar as suas sugestões de moda de seus heróis de pista. Assim nasce o ‘’Bandit Helmet’’

Modelos de assinatura de edição limitada tornam-se populares como o Kenny Roberts AGV que define o tom das principais corridas combinando com a moda na estrada para grandes motos esportivas da época, e que segue até hoje com capacetes atuais.

Fonte: Internet

2000- Viajantes do Milênio

A última década tem visto  re-interesse em capacetes vintage. As tribos de ‘’novos motociclista’’ (cafe racer cultura) apareceram na cena com uma identidade, criando o ressurgimento no “jet estilo”.

A moto também se tornou mais do que apenas um passatempo de fim de semana, para muitos é a viagem para o trabalho, especialmente em grandes cidades como Londres e São Paulo, onde bate o engarrafamento e a penúria de congestionamentos.

Assim nasce o Roof Boxer. A popularidade do motociclismo como uma opção prática, tem ajudado na procura de capacetes práticos e elegantes, que permitem uma mistura de configurações de rosto completo ou aberto combinando conforto, praticidade, durabilidade e, finalmente, segurança para o piloto moderno.

Fonte: Internet

Qual o próximo??

Fonte: Internet