A Honda CB Twister foi um dos lançamentos mais amados e também criticados do Salão Duas Rodas 2015. As críticas foram, em sua maioria, devido ao fato da Honda ter lançado uma substituta da CB 300R com motor de 250 centímetros cúbicos, e muitos viram isso como um retrocesso por parte da montadora.

Para entender melhor o lançamento CB Twister temos que falar de dois assuntos: Promot 4 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares) e reposicionamento da Marca no segmento das 250/médias cilindradas.

A CB300R não atendia as exigências da legislação quanto à emissão de poluentes e há tempos a Honda trabalhava em um motor de 250cc, mais moderno e, de acordo com exigências do Promot 4. Além disso, a montadora japonesa precisava se reposicionar no mercado, já que não tinha mais uma motocicleta para concorrer na categoria de 250cc, pois a CB 300R se aproximava mais das motocicletas da categoria de 500cc do que das de 125/160cc.

Na prática, a Honda queria dar uma opção, da marca, para o consumidor que quisesse dar um up grade na sua CG ou scooter, e com isso brigar pelo mercado das médias cilindradas, que tem como alguns dos competidores a Fazer 250, da Yamaha, e a Next 250, da Dafra.

Essa explicação se faz necessária para que o público possa entender melhor a estratégia da Honda em lançar uma nova motocicleta. Sim, a CB Twister é um novo projeto, uma nova motocicleta que de “velho” só tem o nome Twister. Estratégia da montadora japonesa para “cair nas graças” dos antigos fãs do modelo.

Por isso, na minha opinião, não cabe insistir em comparar a CB 300R com a CB Twister, no máximo usá-la referência.

“Matar” o antigo projeto da CB300R abre espaço para, quem sabe, a Honda lançar um novo projeto de 300cc, para concorrer por exemplo com a Z300 e por que não também com as carenadas, como a Ninja 300 e mais novo lançamento da Yamaha a R3. Vamos aguardar.

Detalhe CB Twister. Foto: Divulgação

Detalhe CB Twister. Foto: Divulgação

Avaliação Honda CB Twister

Apenas como referência, a novíssima CB Twister tem motor (42cc a menos), torque (0,6 kgf.m, gasolina, e 0,4kgf.m, etanol, a menos) e potência menores (4 cv a menos) do que a CB 300R. Mas isso não quer dizer que a CB Twister seja menos moto que a CB.

A new Twister mantém a mesma facilidade de pilotagem da antiga CB 300R, porém ainda mais leve. Os 12 kg a menos (10kg a menos na versão com ABS), fazem a diferênça e suprem a necessidade de torque, motor e potência. Deixando a pilotagem na cidade equivalente a da sua antecessora.

É uma moto mais suave e precisa, ótima para o dia a dia no trânsito, graças a combinação do motor, com potência de 22,4cv (com gasolina) e 22,6 cv (com etanol) a 7.500 rpm, torque de 2,28 kgf.m a 6.000 rpm, e da transmissão de seis marchas, que prioriza a agilidade, proporcionando melhor aproveitamento da potência e economia de combustível, devido à relação mais curta.

Gostei da suspensão, achei que ela absorveu muito bem os buracos e desníveis tão frequêntes nas ruas de São Paulo. Pesquisando a ficha técnica vi que a Honda investiu bem nessa parte. A suspensão dianteira possui garfo telescópico, com curso de 130 mm e na traseira possui amortecedor do tipo mono-amortecida, com o inédito e exclusivo amortecedor com mola dupla de 35/108 mm de curso. Toda essa tecnologia se traduz em uma moto estável e macia mesmo andando em ruas com buracos e irregularidades.

Detalhe do amortecedor. Foto: Divulgação

Detalhe do amortecedor. Foto: Divulgação

Para quem anda no corredor de São Paulo sabe que freiar bruscamente é uma realidade, a CB Twister avaliada tinha sistema ABS (sistema que evita o travamento das rodas em frenagens bruscas) e me ajudou bastante, inclusive na chuva.

O painel é do tipo “blackout” é totalmente digital e conta com indicadores como tacômetro, velocímetro, hodômetro total e parcial, relógio marcador de nível de combustível, além de luzes de injeção eletrônica, neutro, farol alto e sinalizadores. A noite o painel é muito bonito.

Quanto à altura, uma dúvida muito frequente nas mulheres, ela tem 1072mm de altura (32mm a mais do que a CB 300R). Eu não tive dificuldades pois tenho 1,77m de altura, porém acredito que não seja difícil para alguem com 1,65 m de altura pilotá-la.

Ensaio com a CB Twister no Beco do Batman

Ensaio com a CB Twister no Beco do Batman – Capacete MT, bota Siena da Harley-Davidson

Prós e contras da CB Twister

Prós

Como citei no vídeo os pontos fortes são freios ABS (opcional), maciez e agilidade garantidas pelas 6 marchas e o design. A suspensão é de se levar em consideração. Também vale a pena citar os 3 anos de garantia sem limite de quilometragem, com fornecimento gratuíto de óleo em sete revisões.

Contras

Preço. Acho o preço de R$ 13.050,0 para uma moto de 250cc muito alto. A versão com a ABS sai por R$14.440,0.

Macia e ágil

Macia e ágil – Capacete MT, bota Siena da Harley-Davidson e jaqueta Summer da Riffel

Resumo

Uma motocicleta com design atraente, suave, fácil de pilotar e ágil no trânsito. É uma motocicleta que você pode usar como meio de transporte e também para passear, já que ela é bonita e você não chega “mal na festa” (risos). Como sempre gosto de dar um adjetivo para as motocicletas que avalio, eu daria a palavra: maciez. É uma moto “maciazinha”.

Uma sugestão para deixar a moto perfeita, na minha opinião, seria mostrar o consumo de combustível médio no painel.

Para mais detalhes veja também o vídeo de avaliação